Um diagnóstico descoberto por acaso. Foi assim que Ana Paula de Oliveira, 39 anos, que mora em Vitória, descobriu que a filha Ana Luiza de Oliveira, 12, estava com uma escoliose, uma curvatura anormal da coluna vertebral. Foi em uma consulta realizada no primeiro semestre do ano passado, para diagnosticar uma sinusite, que o médico detectou o problema no Raio-X. A coluna da criança apresentou uma deformação que levantou curiosidade da mãe em investigar o caso.

Ana Paula contou que a partir daí, durante um ano, a filha passou por várias consultas. Ela pensou em fazer um plano de saúde somente para fazer a cirurgia da menina, mas tudo sem sucesso. “Eu passei em vários médicos e fiquei um pouco desesperada, pois a cirurgia era muito cara. Pensei em pagar um plano de saúde para ver se acelerava o tratamento, mas todos caros e com carência muito demorada. Daí me indicaram o Hospital Estadual Infantil Alzir Bernardino Alves (Himaba), e decidi levar minha filha em uma consulta e já a encaminharam para marcar a cirurgia”, disse.

A doença

A escoliose é um encurvamento da coluna vertebral para os lados e é frequentemente acompanhada de uma rotação do tronco, criando uma protuberância nas costelas ou no músculo da região lombar. Em cada 300 crianças, pelo menos uma terá um encurvamento moderado da coluna vertebral. Tipicamente, a escoliose é indolor.

Grandes encurvamentos podem progredir durante a vida e, a qualquer tempo, causando até problemas pulmonares, dor nas costas em idade adulta e podem ser bem deformadores. A escoliose piora conforme a criança cresce. No tratamento, uso de colete (órtese), gesso ou cirurgia podem ser necessários para impedir a progressão do encurvamento.

No caso da pequena Ana Luiza a cirurgia foi o mais indicado de acordo com o cirurgião Charbel Jacob Júnior, que coordenou a equipe do procedimento. “A Ana era uma paciente já bem torta e que necessitava muito de fazer esta cirurgia para não agravar e complicar outras partes do corpo. A escoliose comprime o pulmão e até mesmo o coração da criança. O procedimento cirúrgico é de alta complexidade e consiste em endireitar a coluna cervical”, explicou.

A cirurgia aconteceu no dia 4 de maio. Todo o trabalho no centro cirúrgico do Himaba durou cerca de três horas, e contou com o apoio de uma ampla equipe composta por enfermeiros, anestesistas e instrumentadores. “A cirurgia foi um sucesso. Nós estabilizamos a paciente e a devolvemos com a coluna vertebral reta”, afirmou.

Após o procedimento, a criança precisou de atenção e monitoramento. Ela foi encaminhada para a Unidade de Tratamento Intensivo Pediátrico (Utip), onde permaneceu internada por dois dias. Recuperada, Ana Luiza já está em casa andando com normalidade. A mãe Ana Paula ficou muito satisfeita e agradecida por todo atendimento que recebeu no hospital, e escreveu uma carta demonstrando sua satisfação em ter confiado no Himaba.

A carta

“Eu, Ana Paula de Oliveira venho através desta carta agradecer ao Doutor Charbel e toda sua equipe, ao hospital Himaba pela cirurgia da minha filha que foi um sucesso, ela está se recuperando muito bem, o atendimento no hospital foi muito bom, a um ano que descobrimos que ela estava com escoliose, conseguimos uma consulta com o doutor Charbel e esse anjo que Deus colocou em nossas vidas sempre tratou minha filha com dedicação e carinho e com toda sua experiência, hoje ela está aqui se recuperando e com menos de 15 dias de cirurgia já está andando tudo.
Obrigada!!!

Ana Paula de Oliveira”
(SIC)