Os resíduos produzidos em unidades hospitalares quando manuseados ou descartados de forma inadequada podem ocasionar sérios danos à saúde do trabalhador, ao meio ambiente e contribui para a incidência de infecção hospitalar. Pensando nisso, o Hospital Estadual e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (HEMNSL), da SES - Governo de Goiás, por meio da sua Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), realizou uma atualização voltada para todos os colaboradores sobre o manejo e descarte correto dos resíduos, com base na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), número 222, do dia 29 de março de 2018.

Para a enfermeira e responsável pela capacitação, Juliane Santana, o objetivo foi alcançado. “Os presentes foram bastante participativos, tiveram dúvidas e isso me faz acreditar que o assunto discutido aqui hoje será disseminado entre os colaboradores que não puderam comparecer”, afirmou. “Considero muito importante estar atualizada sobre os processos do HEMNSL para melhor atender nossos pacientes e garantir ainda mais a segurança dos colaboradores”, opinou a técnica em Saúde, Marli Oliveira. Os resíduos de saúde são divididos em 5 grupos: A (potencialmente infectantes), B (químicos), C (radioativos), D (comuns) e E (perfurocortantes). Desses, o único que o HEMNSL não produz é o C.