Interessados enviar currículo para: curriculo@igh.org.br

VAGAS:

Almoxarife

Auxiliar de Almoxarifado

Assistente Social 

Auxiliar de CAF (Central de Abastecimento de Farmácia)

Auxiliar de lavanderia e rouparia

Auxiliar Farmácia

Enfermeiro com experiência em UTI e /ou emergência

Farmacêutico

Fisioterapeuta

Fonoaudiólogo

Maqueiro

Psicólogo

Recepcionista

Técnico Informática

Técnico Administrativo (mat/pessoal)

Técnico arquivista

Técnico Contabilidade/Faturista

Técnico de Enfermagem com experiência em UTI e /ou emergência

Técnico de Radiologia

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico em eletricidade

Técnico em hidráulica

Técnico em Refrigeração

Técnico estatístico

Vigilante/Portaria

Na manhã da última terça-feira (3 de março), o auditório do Hospital Estadual de Urgências de Aparecida de Goiânia Cairo Louzada (Huapa) ficou lotado de coordenadores, diretores e preceptores do Programa de Residência Médica da unidade, que deram as boas vindas aos quatro novos médicos residentes do hospital. Além de receber os acadêmicos, placas em homenagem aos residentes médicos que se formaram em 2019 foram descerradas.  
O presidente da Comissão de Residência Médica (Coreme) do hospital, Bruno Air Machado, recepcionou os novos residentes. “Receber pessoas que querem  aprender e cuidar bem dos pacientes é sempre muito gratificante. Espero que eles venham com comprometimento, energia e garra para trabalhar muito e aprender bastante”, comentou. 
Em seguida, o diretor técnico do Huapa, Dr. Valdeir de Sousa Teixeira, destacou que o comprometimento e respeito é importante durante a residência. “Ao longo do tempo que ficarão aqui, cerca de 80 mil pessoas passarão pelos leitos assistenciais do Huapa. Nesse período, é importante que os acadêmicos respeitem os seus pacientes pois a boa relação médico-paciente é importantíssima durante a residência”, frisou.  
Já a diretora geral da unidade, Mara Rúbia de Souza, enfatizou que a Residência Médica é a força motriz do Huapa. “Por ser um hospital-escola, recebemos muitos casos e isso melhora e diversifica a assistência. Com pessoas e conhecimentos novos podemos otimizar recursos e processos. Quem ganha com isso é a população”, ressaltou.
Após as boas-vindas e agradecimentos, três placas localizadas na entrada do auditório foram descerradas em homenagem aos residentes que concluíram o curso em 2019. O médico Túlio Nogueira, formado pela residência de Cirurgia Geral, avaliou sua participação positivamente. “Cheguei muito inexperiente no Huapa e hoje posso dizer que aprendi muito, tanto com os preceptores quanto com os pacientes e toda a equipe multidisciplinar”, relatou. 
Terminaram a residência médica em Cirurgia Geral, os médicos Túlio Nogueira de Mendonça e Mayana de Pina Lobo; em Anestesiologia, Cássio Serra de Oliveira; e em Ortopedia e Traumatologia, Dhyego Mendonça de Bessa. Iniciam amanhã no Programa de Residência Médica: no curso de Cirurgia Geral, o médico Guilherme Alves Souza e Rodrigo Barcelos Ferreira de Carvalho; em Anestesiologia, Renan Felipe Alcântara de Alencar; e em Ortopedia e Traumatologia, Pedro Ferraz da Costa Filho.

Em março de 2020, o Complexo Hospitalar formará a quarta turma da residência multiprofissional em saúde. O curso teve origem em 2013 e cada turma tem duração de dois anos. Os profissionais das áreas da Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Psicologia, Serviço Social e Terapia Ocupacional, puderam realizar a especialização em um dos dois programas: Saúde da Criança ou Urgência e Trauma.A Residência Multiprofissional em Saúde do CHC tem a duração de 24 meses, com carga horária semanal de 60 horas. Os participantes passam por um processo seletivo realizado todo final de ano e recebem uma bolsa de R$ 3.330,43. Em março uma nova turma, com 16 vagas, iniciará os programas.

Na quinta-feira (20), aconteceu uma palestra nas salas de espera e de medicação da UPA Gleba A de Camaçari-BA em alusão ao Dia Nacional de Combate às Drogas e Alcoolismo. A ação teve como objetivo disseminar informações sobre medidas preventivas, de combate e de redução de danos.
“É importante entendermos que a dependência química é uma doença, já que a droga passa a fazer parte do organismo humano e modifica o seu funcionamento. É por isso que vemos, por exemplo, pessoas que não conseguem parar de beber ou fumar tremerem quando há falta do consumo da substância. Queria trazer para vocês um olhar, um pensamento coletivo, ao nos perguntarmos o que podemos fazer para ajudar àquele vizinho, amigo ou familiar dependente químico”, disse o enfermeiro Ronald Pires ao público.
Globalmente, em torno de 35 milhões de pessoas sofrem de transtornos decorrentes do uso de drogas e necessitam de tratamento de acordo com o Relatório Mundial sobre Drogas levantado em 2019 pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes.  Na palestra, as pessoas foram informadas sobre centros de acolhimento e referência psicossocial, dentre eles o CAPS AD de Camaçari que teve entre os representantes presentes André Luis Pinto Dantas Cunha, sociólogo/técnico em saúde mental. “Nós trabalhamos com pessoas que usam e abusam de substâncias psicoativas. Talvez vocês tenham vizinhos, amigos ou familiares com alguma dependência. Todos nós temos contato com alguém que possui problema com álcool e/ou outras drogas e vocês podem ajudar essa pessoa encaminhando-a para o CAPS AD. Nós trabalhamos pela redução de danos”, informou.
Valmira Ribeiro Santos Ferreira, técnica de enfermagem do CAPS AD, explicou que a redução de danos é a forma de cuidado destinado àquelas pessoas que não querem ou não conseguem parar de fazer uso e abuso das substâncias psicoativas. “Trabalhamos com a redução do uso de drogas para melhorar a saúde do usuário. Nos deparamos com pessoas que perdem a família, os filhos, os amigos, o trabalho, a casa e acabam em situação de vulnerabilidade, ou seja, situação de rua. Então, como podemos fazer essa redução de danos? Através da diminuição que não cause abstinência e dos cuidados que podem ser feitos para diminuir os malefícios causados pelo álcool e drogas”.
Raimundo de Jesus, 42 anos, elogiou a iniciativa por parte da UPA Gleba A. “Eu acho muito importante falar sobre isso. É um tema bem atual que afeta muitas famílias e trouxeram hoje informações bastante relevantes para nós como sociedade”, disse.
Ilma Lima da Silva, 57 anos, também registrou seu elogiou e contou sua experiência relacionada ao assunto. “Meu marido tem sete meses que faleceu. Morreu de hepatite alcoólica devido à bebida quente que tanto consumia. Se ele tivesse se prevenido ou recebido tratamento, acredito que não teria chegado a esse ponto”, relatou.
O CAPS AD, Centro de Atenção Psicossocial é para pacientes que fazem uso e abuso de álcool e outras drogas e possui equipe multidisciplinar, funciona das 8h às 17h com acolhimento aberto todos os dias, com exceção das terças-feiras a tarde de reunião com equipe técnica. 

Com o aparecimento dos casos de doença respiratória causada pelo coronavírus na China e aparecimento de casos suspeitos no Brasil, o estado de Goiás, preparou um plano de contingência de enfrentamento ao Coronavírus – Covid-19, mesmo sem registros de casos confirmados no Brasil. Diante disso, os hospitais geridos pelo Instituto de Gestão e Humanização em Goiás – Hospital Estadual Materno-Infantil Dr. Jurandir do Nascimento (HMI), Hospital Estadual de Urgências de Aparecida de Goiânia Cairo Louzada (Huapa) e Hospital e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (HEMNSL) -, promoveram entre os dias 11 e 13 de fevereiro, capacitação sobre a doença para seus profissionais.  
No HMI, médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e técnicos administrativos puderam sanar suas dúvidas sobre o coronavírus, ao longo dos três dias. O treinamento, foi realizado pela a infectologista Cláudia Borges, da Comissão de Controle de Infecção Hospital (CCIH), com participação da coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológico Hospital (NVEH), Wanda Carvalho. As profissionais falaram sobre o coronavírus, de onde vem e o potencial epidêmico do mesmo, além de mostrar dados estatísticos da doença na China. Foram abordados também aspectos como notificação de casos, manejo clínico, vigilâncias epidemiológica e laboratorial, além de coletas e análises diferenciais. 
De acordo a presidente da CCIH, Keilla Oliveira, “é necessário que os nossos profissionais estejam preparados em eventual circulação do vírus no Brasil, mesmo sabendo que o Ministério da Saúde (MS), divulgou que não há confirmação da doença no país”, pontuou. Nos dias 11 e 12 de fevereiro, o Huapa e HEMNSL também ministraram treinamento sobre o atendimento a pacientes com suspeita de coronavírus, seguindo a orientação da Secretaria de Estado da Saúde do Estado de Goiás (SES-GO). 
No Huapa, a coordenadora do NVEH, Cristina Passos, apresentou um pouco mais sobre a doença, o além do panorama nacional e estadual. “Hoje, o Brasil está em nível 2 de alerta para o coronavírus. O Huapa está preparado caso aconteça, pois traçamos estratégias para não haver disseminação”, enfatizou. A profissional ainda mostrou o fluxo que a unidade deve seguir ao receber um paciente com a suspeita. “Temos uma enfermaria específica para o isolamento desse paciente, onde vamos seguir todos os protocolos pré-estabelecidos pelo MS e Agência Nacional de Vigilância Sanitária”, completou.
Já no HEMNSL, a CCIH e a Farmácia mostraram também, aos seus colaboradores, o fluxo que terá de ser seguido, caso alguma paciente apresente os sintomas característicos do coronavírus. “Vale reforçar que todos os envolvidos precisam fazer o uso dos equipamentos de proteção individual nesse momento, tanto no contato com a paciente, quanto ela própria. Os kits individuais já estão montados e separados para serem utilizados”, reforçaram as coordenadoras Juliane Ferreira e Marcela Meirelles.

HRDLEM-Porto Seguro, sendo contemplado com nova emenda parlamentar do deputado Jânio Natal. Recebendo a chave da ambulância tipo C/ Van, com muita honra, das mãos de nosso Governador Correria, Rui Costa, e da amiga Tereza Paim, Sub Secretaria/SESAB.

Agoora sim: Frota de ambulâncias 100% renovada no Hospital Regional.

Gratidão #GovenadorRuiCosta
Gratidão #DeputadoJânioNatal
Gratidão #SESAB
Gratidão #IGH

…Reconhecimento muito bem vindo pelo Instituto de Gestão e Humanização, @IGH, à frente do Contrato de Gestão do Hospital Regional Deputado Luis Eduardo Magalhães/HRDLEM-PORTO SEGURO, desde 2015.HRDLEM-Porto Seguro, sendo contemplado com nova emenda parlamentar do deputado Jânio Natal. Recebendo a chave da ambulancia tipo C/ Van, com muita honra, das mãos de nosso Governador Correria, Rui Costa, e da amiga Tereza Paim, Sub Secretaria/SESAB.

Agoora sim: Frota de ambulâncias 100% renovada no Hospital Regional.

Gratidão #GovenadorRuiCosta
Gratidão #DeputadoJânioNatal
Gratidão #SESAB
Gratidão #IGH

…Reconhecimento muito bem vindo pelo Instituto de Gestão e Humanização, @IGH, à frente do Contrato de Gestão do Hospital Regional Deputado Luis Eduardo Magalhães/HRDLEM-PORTO SEGURO, desde 2015.

A Maternidade de Referência Professor José Maria de Magalhães Netto, unidade administrada pelo Instituto de Gestão e Humanização (IGH), iniciou o mês de fevereiro com a formação de 17 novos especialistas em neonatologia, ginecologia e obstetrícia. A solenidade de formatura dos médicos residentes ocorreu no auditório da maternidade com a presença do equipe médica, preceptores e familiares dos novos neonatologiostas, ginecologistas e obstetras. Em 18 meses de nova gestão do IGH, os usuários e colaboradores da maternidade já conseguem perceber os significativos avanços alcançados em todos os setores da unidade. Essa foi a segunda turma formada sob a administração da organização social. “Assumimos uma maternidade com uma situação bastante precária nos âmbitos profissional, material e estrutural, e em pouco tempo o IGH deu uma nova cara à Maternidade. Hoje voltamos a ser a referência e, costumo brincar, que a preferência no estado da Bahia. Nesse sentido, é um grande orgulho para nossa instituição por ter conseguido uma melhoria importante na unidade para esses residentes chegarem no mercado de trabalho de forma satisfatória”, Daniela Lessa, diretora técnica da maternidade. Representando o governador Rui Costa, a subsecretária da Saúde da Bahia, Tereza Paim, também elogiou a reestruturação deflagrada pelo IGH na maternidade. “Essa nova gestão do IGH tem implementado um apoio ao ensino e pesquisa. Isso é um diferencial para na prestação dos serviços públicos e o Governo do Estado tem a perspectiva de o mais rápido possível implantar novos hospitais escolas e hospitais de ensino para fomentar a inserção de novos talentos no mercado que favoreça o atendimento da população com excelência”, declarou a gestora. Um dos formando nesse atual ciclo, o agora neonatologista Ivan Accioly destacou a melhoria das condições de trabalho conquistada na unidade com a assunção da gestão do IGH. “Acabei vivenciando justamente o período de transição da maternidade com a chegada do IGH e é notório os avanços na assistência e na busca da qualidade estrutural. Existe de fato uma maternidade antes e depois do IGH”, celebrou.   

Cerca 30 pacientes foram beneficiados com o mutirão de atendimentos e cirurgias bucomaxilofaciais promovidos pelo Hospital Estadual de Urgências de Aparecida de Goiânia Cairo Louzada (Huapa) durante todo o dia 13 de fevereiro (quinta-feira), em parceria com o Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial (CBCTBMF), além da participação do Conselho Regional de Odontologia de Goiás (CRO-GO) e da Escola de Aperfeiçoamento Profissional dos Cirurgiões Dentistas (EAPGoiás).
Coordenado pelo cirurgião bucomaxilofacial do Huapa, Guilherme Romano Scartezini, e pelo coordenador regional do CBCTBMF, Alan Fernando Panarello, o mutirão contou com equipes divididas no atendimento ao público, com orientações para saúde bucal e prevenção contra o câncer de boca, avaliações e realização de exames; e cirurgias em pacientes com algum tipo de trauma previamente avaliados. “Escolhemos esse dia para comemorar a data do cirurgião bucomaxilofacial. Logo, nada melhor que ofertar aos pacientes esses atendimentos aqui no Huapa, que está no coração de Goiás e poder oferecer à sociedade essa atenção que ela merece ter”, explanou Guilherme.
O auxiliar de produção Francisco do Nascimento, que possui lábio leporino e fenda palatina, aproveitou a oportunidade para agendar a cirurgia que ele esperava há dois anos. “Quando eu fiquei sabendo, não esperei e vim logo saber o que eu precisava fazer para ser operado. Fui orientado pelo pessoal e, com o encaminhamento em mãos, já vou saber quando farei a cirurgia”, contou. 
A iniciativa foi muito bem vista pelo Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, uma vez que o Huapa foi o escolhido em Goiás para sediar esse tipo de evento. “Ficamos muito felizes com o envolvimento do hospital nesse mutirão, que também é promovido em outros estados, além de mostrar o quanto o Huapa é uma unidade séria, bem equipada e socialmente envolvida em causas que merecem um acolhimento diferenciado”, parabenizou o coordenador regional, Alan Panarello.

Maternidade é referência para partos de alto risco na Bahia

Nove alunos de enfermagem da faculdade norte americana Chamberlain College of Nursing realizaram uma visita técnica à Maternidade de Referência Professor José Maria de Magalhães Netto. Durante a atividade educacional supervisionada, os estudantes estrangeiros puderam vivenciar na prática a rotina, processos e fluxos deflagrados pela unidade que é referência para partos de alto risco na Bahia.

“A visita técnica tem por objetivo promover a integração entre a teoria e a prática no que se refere aos conhecimentos adquiridos pelos alunos. Os estudantes de enfermagem norte americanos tiveram a oportunidade de aprimorar a sua formação profissional e pessoal”, destacou Monick Santos, coordenadora do Núcleo de Ensino.

De acordo com Nara Dantas, preceptora da instituição de ensono responsável pelo projeto, a visita técnica significa uma oportunidade única para a formação dos estudantes. “Esse tipo de ação extracurricular é inteiramente proveitosa uma vez que amplia a percepção do estudante na aplicação prática do conhecimento teórico adquirido. Para esses alunos, em especial, é uma oportunidade de conhecer uma estrutura assistencial diferente da que eles vivencial no país de origem. Isso agrega ainda mais na prática clínica deles”, finalizou.