Há um ano, em janeiro de 2019, o Instituto de Gestão e Humanização (IGH) iniciava, junto da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a gestão compartilhada dos serviços de saúde da rede pública de urgência e emergência em Contagem. Entre os desafios estavam: ofertar uma assistência à saúde de qualidade para os cidadãos contagenses por meio de uma equipe multiprofissional comprometida com o próximo e com a gestão municipal.

Ao longo deste período muitas mudanças ocorreram e frutos positivos fossem contabilizados nas unidades que fazem parte desta rede, conquistando melhorias no atendimento ao usuário de Contagem. “O engajamento no trabalho e o compromisso dos colaboradores com a organização e seus objetivos fez com que bons resultados, principalmente, a qualidade na assistência fosse aperfeiçoada,” destacou a diretora regional do IGH em Minas Gerais, Ana Kécia Xavier.

A adequação de capital humano, conforme preconizado nas normativas vigentes, como a incorporação de categorias que não faziam parte do quadro como: assistentes sociais, nutricionistas, técnico de tecnologia da informação (TI), auxiliar de almoxarifado, profissionais para manutenção, etc, trouxeram melhorias tanto para equipe interna de atendimento, como a assistência aos usuários.

Atualmente, o IGH conta com quase dois mil profissionais contratados entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, assistentes sociais, farmacêuticos, nutricionistas e toda equipe administrativa (recepção, portaria, auxiliares administrativos) distribuídos no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) e nas cinco Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Aperfeiçoamento e qualidade assistencial

Durante os meses que se passaram, dezenove serviços foram implantados para aperfeiçoamento e qualidade da assistência à saúde pública em Contagem. Entre eles estão a qualificação dos núcleos temáticos (Segurança do Paciente, Educação Permanente, etc) e ampliação da abrangência das Comissões Internas (SCIH, Biossegurança, CIHDOTT, CIGRESS, CIPA, entre outras). O Prontuário Eletrônico em todas as unidades também fizeram parte dos avanços nos processos assistenciais, assim como a implementação de farmácias satélites nas UPAs.

Outra novidade inserida no último ano foi o Núcleo Interno de Regulação (NIR), que teve como objetivo fazer a regulação interna e externa dos pacientes; o gerenciamento das diferentes ofertas de atendimentos hospitalares (internações, cirurgias, exames, atendimentos de urgências e ambulatório); a otimização da utilização dos leitos; e redução do tempo médio de permanência dos pacientes, sem prejuízo na qualidade da assistência.

A rede de urgência e emergência também foi provida de ambulâncias nas modalidades de Unidade de Suporte Avançada (USA) e Unidade de Suporte Básico (USB) que somaram uma média de 1.700 transportes por mês, trazendo mais dinamismo para este serviço.

Mais atendimentos

Com o início do contrato muitos indicadores assistenciais passaram a serem monitorados mensalmente a fim de garantir a progresso na qualidade da assistência prestado aos munícipes de Contagem. 

“A disponibilização de informação apoiada em dados válidos e confiáveis é condição essencial para a tomada de decisões baseadas em evidências e para organização dos serviços de saúde. Dessa forma, os indicadores são ferramentas essenciais para o acompanhamento temporal dos resultados alcançados e também devem orientar a gestão quanto aos problemas enfrentados e no monitoramento de soluções implementadas,” esclareceu a coordenadora de Produção Assistencial, Franciane Esteves.

A ampliação da oferta de exames foi um resultado obtido com a gestão dos Serviços de Apoio Diagnóstico Terapêutico pela Organização de Saúde. Para se ter uma ideia, enquanto que em 2018 foram realizados 448 ecocardiografia transtorácica, em 2019 estes procedimento foram executados 1.920 vezes, o que representa um crescimento de 331%. Este aumento na oferta também foi percebido nos exames cintilografia (178%), ressonância magnética (57%), entre outros.

O crescente número dos atendimentos assistenciais foi apontado nas internações no comparativo entre os dois últimos anos. No Centro Materno Infantil (CMI) eles subiram em 12%. Em 2018 foi realizada uma média mensal de 828 internações e, em 2019, a média mensal foi para 941. No Hospital Municipal de Contagem (HMC) o aumento foi de 14%. A média mensal de 2018 de 665 internações foi para 769, em 2019. No ano passado também foram iniciadas as obras para instalações de 42 leitos da Clínica Média, o que possibilitará mais atendimentos.

Unidade de alta complexidade, o Complexo Hospitalar é que concentra a produção cirúrgica do município, a qual também foi expandida em 2019, se comparado com os números de 2018. 

No CMI o aumento foi de 30% na produção cirúrgica e, no HMC, foi de 22%. A unidade que faz parte da Rede Cegonha e do Programa Hospital Amigo da Criança realizou em 2019 a média mensal de 427 partos normais e cesáreas.

UPAs

As Unidades de Pronto Atendimento também alcançaram no conjunto crescimento no número de atendimentos ao longo do ano decorrido, com adequação das equipes médicas e multiprofissionias e melhoria na oferta dos demais serviços necessários para uma assistência de qualidade. Veja como foi a média mensal de atendimentos por classificação de risco em 2018 e 2019:

 20182019
JK1000212348
Petrolândia36456093
Ressaca64576421
Sede28063541
Vargem das Flores63736935

As unidades JK, Sede, Ressaca e Petrolândia passaram por melhorias estruturais e algumas ainda encontram-se em reforma, buscando aperfeiçoar o melhor acolhimento aos usuários do sistema. Em abril de 2019 a UPA Petrolândia abriu leitos de pediatria e, com isso, o local passou a ofertar atendimento a crianças menores de 12 anos.

Outra novidade na assistência de saúde pública da Prefeitura de Contagem sob gestão do IGH foi a descentralização do atendimento à profilaxia pós exposição (PEP) Sexual e Ocupacional para as UPAs Petrolândia, Ressaca e Vargem das Flores.

A criação do programa “UPA Informa” na UPA JK, com plantões de quatro em quatro horas, com intuito de informar a situação na Unidade aos pacientes e acompanhantes garantiu mais transparência para os usuários que aguardam pelo atendimento. Mais um ganho em 2019 para a saúde pública municipal de Contagem.

Reconhecimento

Elogios e agradecimentos espontâneos têm sido registrados nas redes sociais e os canais oficiais da Prefeitura e do IGH pela população que já foi atendida ou acompanhou familiar nas unidades.

No último mês quem deixou sua mensagem de gratidão a equipe do HMC foi Marisa Paula. Ela ficou feliz com toda a assistência dada durante a internação do pai. Sandro da Silva Moraes também prestigiou a celeridade do seu tratamento e os serviços prestados pelos colaboradores da UPA JK, do HMC e do programa de internação domiciliar o qual fez parte para se recuperar de uma queda em sua residência. 

Maria das Graças Almeida Siqueira também fez seu elogio a todos os profissionais envolvidos na assistência prestada a filha, Joelma Aparecida Siqueira Cordeiro, que ficou sob os cuidados da UPA Ressaca.

“Gostaria de agradecer pelo ótimo atendimento, especialmente ao Serviço Social e também aos enfermeiros e médicos”, disse Zenade da Silva Moreira ao registrar elogio pelo atendimento prestado a sua mãe, Maria Moreira Bastos, que esteve internada por 15 dias na UPA Gleba A em Camaçari – BA.
Zenade contou que logo após o internamento na UPA, sua mãe foi encaminhada na ambulância avançada para uma Unidade de Referência e agradeceu a equipe do Serviço Social pela atenção e eficiência ao ajudá-la neste processo.
Ao receber o elogio, a assistente social Maria Eugênia Marcovaldi, plantonista na unidade, destacou a importância deste retorno positivo. “Realizar o nosso trabalho com dedicação, mesmo diante de tantos desafios e ao final de tudo sermos reconhecidas pelo nosso empenho, nos motiva a seguir em frente, não esquecendo que o resultado positivo é sempre fruto do trabalho em equipe”, salientou.
Para a coordenadora de serviço social da unidade, Vanessa Costa, é gratificante receber esse retorno positivo da população camaçariense. “Essa resposta é fruto do investimento no aprimoramento das equipes para melhor acolher e assistir aos usuários que buscam atendimento na UPA Gleba A/Gravatá”, finalizou. 

Nesta semana, foi implantado um novo sistema de cadastro biométrico na UPA Gleba A em Camaçari – BA. O objetivo é garantir a identificação segura do paciente.
A identificação correta do paciente é importante para a sua segurança, impactando na qualidade do cuidado oferecido em instituições de atendimento à saúde, diminuição do risco potencial para ocorrência de erro na emissão de resultados ou laudos.
“A implantação da biometria na UPA vem afirmar a responsabilidade do cuidado com a vida em conformidade as metas da OMS”, salientou a enfermeira Cleide Bispo, membro do Comitê de Segurança da UPA Gleba A.
A Segurança do Paciente é um dos seis atributos da qualidade do cuidado e tem adquirido, em todo o mundo, grande importância para os pacientes, famílias, gestores e profissionais de saúde com a finalidade de oferecer uma assistência segura.
Com a implantação do cadastro biométrico, os atendimentos médicos também ficarão mais rápidos e eficazes. “O intuito também é agilizar o atendimento. Não sendo mais necessária a busca manual de cadastro, por meio da biometria o paciente é rapidamente identificado pelo sistema”, explicou Maroilton Carneiro, profissional de TI da UPA Gleba A.
A paciente Cosme Santana da Silva, 46 anos, deixou a sua nota de elogio referente ao sistema implantado. “Gostei muito da melhoria, mostra o cuidado com os pacientes e é uma forma de mostrar que a UPA está se preocupando e nos valorizando”, disse.

Colaboradores do Hospital Municipal de Contagem (HMC) e da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) participam nesta última semana de janeiro, em São Paulo, da capacitação para implementação do Projeto Lean nas Emergências, uma iniciativa do Ministério da Saúde em parceria com o Hospital Sírio Libanês. O curso tem como objetivo reduzir a superlotação dos serviços de urgência e emergência do SUS.

O HMC foi selecionado juntamente com outros 39 hospitais do Brasil para fazer parte do quarto ciclo de treinamentos que aborda uma filosofia de gestão voltada para melhoria de processos baseado em tempo e valor, desenhada para assegurar fluxos contínuos e eliminar desperdícios e atividades de baixo valor agregado.

“O Lean tem origem no Japão, mais precisamente na produção da empresa Toyota e tem como finalidade enxugar os processos, ou seja, produzir mais com o recurso que tem. Na unidade hospitalar, a ideia é atender toda a demanda que chega ao Pronto Atendimento de forma eficiente, diminuindo o período de internação que impacta na lotação da unidade,” esclareceu o coordenador de Produção Assistencial do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), Jean Santana.

Participam do Projeto Lean: a diretora Regional do IGH em Minas, Ana Kécia Xavier, o diretor do CHC, Flávio Santos, as coordenadoras de Enfermagem do HMC e do Pronto Socorro, Betânia Claudiano e Amanda de Abreu Barbosa, o coordenador Médico do Pronto Socorro Adulto, André Luiz Otoni, o responsável técnico do HMC, Mário Corteletti, o coordenador de Produção Assistencial CHC, Jean Santana e o superintendente de Urgência da SMS, Vinicius Oliveira Pimenta.

Para a coordenadora de Enfermagem do HMC, Betânia Claudiano, que esteve no curso na terça e quarta-feira, o projeto trará oportunidades de melhoria do processo de trabalho: otimização da mão de obra, redução de custos e, principalmente, promoção na qualidade assistencial. “Foram dois dias de intenso trabalho, muito aprendizado e troca de experiências com profissionais de hospitais de todo país. Teremos muito trabalho nos próximos meses, mas certamente colheremos bons frutos,” ressaltou.

Um diagnóstico já foi feito no Pronto Socorro do HMC e a partir de fevereiro a unidade receberá visitas das equipes do Hospital Sírio-Libanês, para implementação da metodologia em Contagem, junto dos colaboradores participantes do treinamento.

As unidades de pronto atendimento (UPA) de Contagem já estão se preparando para a época mais crítica do ano na área da saúde, o aumento dos atendimentos por casos de arboviroses (Dengue, Febre Amarela, Zika e Chikungunya). Com a alta das temperaturas e o aumento das chuvas, a previsão é que as unidades enfrentem mais uma vez a crescente demanda destas doenças.

O que em 2019 foi um desafio, para 2020 a ideia é que esta situação seja contornada de forma melhor. Com isso, iniciou nesta quinta feira 09 de janeiro, às 10h, no Complexo Hospitalar, a intervenção teatral “Dona Maria e a bicharada” com objetivo de conscientizar a população sobre os riscos das arboviroses e outras pragas urbanas e quais as formas de preveni-las.

A peça idealizada pelo Grupo de Teatro Agente em Cena será exibida toda segunda-feira. Nas terças e quintas-feiras, a equipe fará outras dinâmicas com o público e distribuirá folder informativo. As apresentações acontecerão sempre em dois horários, manhã e tarde, nas recepções PA Pediátrico, PA Obstétrico e Hospital Municipal de Contagem (HMC). As artistas são agentes de endemias da Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Contagem que desenvolvem ações de Educação e Saúde. Para atrair a atenção do público, elas aparecem caracterizadas de mosquito, cachorro, ratazana e escorpião, cantam e interagem com o público.

Além da ação com os cidadãos, gestores do CHC, UPA’s e da Secretaria de Saúde que fazem parte do Comitê de Arboviroses estão se reunindo quinzenalmente e alinhado diretrizes para o atendimento nas unidades de saúde no município.

“Já fizemos estudos de algumas situações e estamos acompanhando e monitorando os casos que já estão surgindo para implantarmos algumas mudanças no atendimento de acordo com os cenários que podem aparecer durante o surto das arboviroses, como aumento de profissionais, tenda de hidratação, entre outras assistências”, esclarece a gerente assistencial, Renata Mourão.

Valdermar da Silva Barbosa, 68 anos, veio para uma consulta no Hospital e curtiu o teatro enquanto aguardava para ser chamado. Segundo ele ainda há muitas pessoas que não fazem sua parte para manter a casa limpa e livre da dengue, com isso todos sofrem com os sintomas.

A intervenção teatral acontecerá até dia 27 de fevereiro no CHC e depois será realizada nas UPA’s de Contagem.

Serviço:

Campanha de conscientização sobre as arboviroses- intervenção teatral nos prontos atendimentos do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) 

Data: 09/01 até 27/02 – segundas, terças e quintas-feiras

Endereço: Av. João César de Oliveira, n° 4495 – Eldorado, Contagem/ MG

Horário: 10h e 14h

No intuito de apoiar o uso de práticas essenciais de cuidados maternos e perinatais, o Hospital Estadual Materno-Infantil Dr. Jurandir Nascimento deu início no mês de dezembro, às capacitações da equipe multidisciplinar (Obstetras, Pediatras, Preceptores da Residência da Obstetrícia e Pediatria, Anestesistas e Equipe  de Enfermagem ) para utilização do Checklist Nascimento Seguro.

Referência para a gestação de alto risco, sendo considerado como atenção de média e alta complexidade, o HMI, por meio do Núcleo Interno de Segurança do Paciente (NISP), fez o lançamento da implantação desse protocolo em junho deste ano e agora já deu início à parte prática. O treinamento do Checklist Nascimento Seguro da unidade foi iniciado in loco nos  setores de Pronto Socorro da Mulher (PSM), Pré Parto, Obstetrícia Posto 2 e Centro Cirúrgico, e foi ministrado pela enfermeira obstetra Juliana  Montalvão ( Preceptora da Residência de Enfermagem Obstétrica).

De acordo com a OMS – Organização Mundial de Saúde, dos 130 milhões de nascimentos que ocorrem todos os anos, cerca de 303 mil resultam na morte da mãe, 2,6 milhões são natimortos e outros 2,7 milhões de recém-nascidos morrem nos primeiros 28 dias após o nascimento.

Com o checklist estes números tendem a cair, visto que aborda as principais causas dos óbitos maternos como hemorragias, infecções, parto obstruído e hipertensão arterial, bem como dos bebês nascidos mortos relacionados com complicações perinatais (cuidados inadequados antes do nascimento) e mortes neonatais (asfixia no parto, infecções e complicações relacionadas com a prematuridade do parto).

O protocolo implantado no HMI  têm como referência o checklist do Parto Seguro da Organização Mundial de Saúde – OMS (WHO Safe Childbirth Check list), concebido como uma ferramenta para melhorar a qualidade dos cuidados dispensados às mulheres que dão à luz.

A enfermeira Lílian Maria Fernandes explica que o checklist é uma ferramenta simples que  garante que o paciente irá receber toda a assistência necessária. “Este checklist será utilizado para assegurar o uso de práticas essenciais de cuidados maternos e perinatais. Pois, ele trará dados importantes  preenchidos pelos profissionais de enfermagem e pela equipe médica”, afirmou.

Segundo a diretora técnica interina do HMI e coordenadora da obstetrícia, Luciene Bemfica, o treinamento do Checklist Nascimento Seguro da unidade será contínuo. “O intuito é capacitar todos os profissionais envolvidos, assegurando a adesão e comprometimento com esse protocolo tão importante, a fim de reduzir as taxas de morte materna e neonatais. É uma forma de garantir que o protocolo esteja sendo cumprido por toda nossa equipe, desde o momento em que a gestante é admitida no hospital até o momento de sua alta e do recém-nascido ”, finalizou.

A tarde desta quinta-feira, 21 de novembro, foi movimentada na pediatria do  Hospital Estadual Materno-Infantil Dr. Jurandir do Nascimento (HMI). As crianças internadas na unidade receberam a visita dos pilotos Allam Khodair e César Ramos, da Blau Motorsport, equipe da Stock Car.

Já é uma tradição, a equipe visitar hospitais infantis, na cidade em que participam de provas. Desta vez, as crianças do HMI foram contempladas. Além de conhecerem os pilotos, elas ganharam presentes, bonés oficiais da equipe autografados, além de tirar fotos com os profissionais.

O garoto Isaias, de 9 anos, é fã de corridas, não perde um jogo no celular. “Nossa, foi muito bom conhecer os pilotos!”, falou com entusiasmo. Davi, de 8 anos ficou muito feliz. “Achei ótimo essas visitas! Tirei foto e já até postei no face”.  Guilherme, de 12 anos, ficou surpreso. “Nunca pensei que fosse conhecer pilotos da Stock Car de perto, tirar fotos com eles. Ainda mais aqui no hospital. Foi muito massa!”, afirmou o garoto.  E não foram só os pequenos que apreciaram a visita. Ana Carolina, mãe de um paciente é fã dos navegadores e se emocionou quando os viu entrando no leito de enfermaria. “Meu sonho era conhecê-los e hoje realizei o meu sonho. Achei emocionante!”

“ É muito legal essa ação, que é um projeto do nosso patrocinador. Faz diferença para os pacientes, para a família. É bem gratificante essa troca de energia. É especial para nós”, pontuou Allam. “ Sempre saio realizado depois do contato com as crianças. É muito bom poder trazer um conforto, colocar um sorriso no rosto dessa garotada”, ressaltou César.

Os diretores da unidade, Márcio Gramosa – geral e Sara Gardênia – técnica, acompanharam os visitantes no hospital. “Eles trouxeram alegria e descontração para as crianças internadas na unidade”, disse Márcio. “É importante para nossos pequenos pacientes, momentos de alegria como esse. Quebra a rotina, e torna o ambiente hospitalar menos traumático, mais feliz e humanizado”, afirmou Sara.

Com o objetivo de chamar atenção para o problema de saúde, no Brasil e no mundo, que a prematuridade, o dia 17 de novembro foi eleito para abordar o assunto e conscientizar a população. Um em cada 10 bebês nasce prematuro. São 340 mil prematuros nascendo todo ano no Brasil, muitos deles não sobrevivem ou ficam com algum tipo de sequela.

A pequena Helena nasceu no dia 20 de outubro e faz parte desta estatística. Aos seis meses de gestação, a mãe, Michele Izabel dos Santos, de 24 anos, passou mal e deu a luz a sua filha. “Não foi fácil viver isso tudo, mas tenho fé que tudo ocorreu como tinha que ser. Tive o privilégio de ser parto normal e colocar minha menina no colo, por alguns minutos, antes de ir para incubadora. Agora venho todos os dias ver e ajudar minha Helena crescer mesmo que fora da barria,” contou Michele que acompanha a recém nascida no CTI Neonatal do CMI.

Unidade referência

Inaugurado em 2016, o Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus é uma referência na assistência ao prematuro e à família deste bebê, no município e região. A unidade conta com 20 leitos no Centro de Terapia Intensiva (CTI), dez (10) unidades de cuidados intermediários (UCI) e leitos de Canguru. Por mês, são 22 prematuros admitidos no CTI Neonatal.

Segundo o coordenador médico do CTI Neonatal, Frederico de Melo Nascimento, os prematuros apresentam problemas de saúde variados (sistema respiratório, circulatório, renal, etc) devido ao interrompimento da gestação. Com isso, necessitam de monitoração constante e atendimento especializado em diversas áreas – neurologia, fisioterapia, terapia ocupacional, entre outros. “Após o parto, a incubadora passa a fazer o papel do útero e a equipe de profissionais auxilia para que o bebê continue se desenvolvendo,” completou do Dr. Frederico Nascimento.

“Aqui, o bebê recebe todo o suporte para que atinja condições de saúde ideais e retorne para o lar com qualidade de vida,” explica a coordenadora de Enfermagem do CTI Neo, Renata Aparecida de Souza. O apoio também é direcionado para mãe e familiares, pois é um momento de fragilidade. “É preciso que eles entendam a situação e contribuam neste processo” esclareceu Renata de Souza.

O casal Amanda Larissa Feliciano dos Santos, 20 anos, e Gabriel Eustáquio Modesto Silva, 21 anos, também compartilham da experiência da prematuridade. Desde o dia 22 de outubro, eles acompanham cada evolução do pequeno Theo Gabriel no CTI Neo do CMI: “Ele já esta liberado da medicação e, hoje, ainda precisa do oxigênio” destacou o casal que mora no bairro Eldorado.

Pais de primeira viagem, eles ficaram surpresos com o parto repentino com 32/33 semanas gestação e como tudo que aconteceu rápido. Apesar de estar com o pré-natal em dia, Amanda perdeu bastante líquido amniótico, o que resultou na cesariana. “Mesmo fora da barriga, estamos curtindo este cuidado e atenção que nosso filho requer. A expectativa é que ele comece a mamar, ganhe mais peso e possa ir para casa,” disse Amanda.

Novembro Roxo

O novembro roxo, como também é conhecido, é um momento para refletir sobre as causas da prematuridade e como a assistência multidisciplinar e apoiada a tecnológica auxilia no desenvolvimento deste recém-nascido que nasceu antes da formação completa, abaixo de 37 semanas. Com isso, o CMI enfeitou o setor e bateu-papo com os pais e familiares que visitam a unidade sobre o assunto.