MRPJMMN forma segunda turma de médicos residentes após início da gestão do IGH

A Maternidade de Referência Professor José Maria de Magalhães Netto, unidade administrada pelo Instituto de Gestão e Humanização (IGH), iniciou o mês de fevereiro com a formação de 17 novos especialistas em neonatologia, ginecologia e obstetrícia. A solenidade de formatura dos médicos residentes ocorreu no auditório da maternidade com a presença do equipe médica, preceptores e familiares dos novos neonatologiostas, ginecologistas e obstetras. Em 18 meses de nova gestão do IGH, os usuários e colaboradores da maternidade já conseguem perceber os significativos avanços alcançados em todos os setores da unidade. Essa foi a segunda turma formada sob a administração da organização social. “Assumimos uma maternidade com uma situação bastante precária nos âmbitos profissional, material e estrutural, e em pouco tempo o IGH deu uma nova cara à Maternidade. Hoje voltamos a ser a referência e, costumo brincar, que a preferência no estado da Bahia. Nesse sentido, é um grande orgulho para nossa instituição por ter conseguido uma melhoria importante na unidade para esses residentes chegarem no mercado de trabalho de forma satisfatória”, Daniela Lessa, diretora técnica da maternidade. Representando o governador Rui Costa, a subsecretária da Saúde da Bahia, Tereza Paim, também elogiou a reestruturação deflagrada pelo IGH na maternidade. “Essa nova gestão do IGH tem implementado um apoio ao ensino e pesquisa. Isso é um diferencial para na prestação dos serviços públicos e o Governo do Estado tem a perspectiva de o mais rápido possível implantar novos hospitais escolas e hospitais de ensino para fomentar a inserção de novos talentos no mercado que favoreça o atendimento da população com excelência”, declarou a gestora. Um dos formando nesse atual ciclo, o agora neonatologista Ivan Accioly destacou a melhoria das condições de trabalho conquistada na unidade com a assunção da gestão do IGH. “Acabei vivenciando justamente o período de transição da maternidade com a chegada do IGH e é notório os avanços na assistência e na busca da qualidade estrutural. Existe de fato uma maternidade antes e depois do IGH”, celebrou.