O Serviço Social do Hospital Estadual e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (HEMNSL) promoveu hoje (17/11), atividades para reforçar a importância de prevenir a saúde do homem, com ênfase no câncer de próstata, também conhecido como “Novembro Azul”. Na recepção da unidade, os colaboradores foram surpreendidos com uma palestra sobre o tema, ministrada pelo médico da unidade, Túlio Sardinha, acompanhado pela coordenadora do Serviço Social, Lourdes Maria.

A campanha do “Novembro Azul”, segundo o profissional, deveria se estender ao longo do ano, uma vez que o câncer trabalha no silêncio. “A doença não espera o mês chegar para aparecer. O homem precisa sempre estar atento para qualquer sinal que seja diferente no corpo, principalmente se for após os 55 anos, idade quando ela se torna mais suscetível”, alertou. A partir de qualquer sintoma, o urologista precisa ser procurado e uma investigação iniciada, pois quanto mais cedo for diagnosticado, há mais chances de cura. 

Túlio ainda fez um comparativo sobre a procura por assistência em homens e mulheres, que deixam a desejar quando o assunto é saúde. “Nós, homens, precisamos mudar esse hábito de ir ao médico apenas quando não há mais jeito. Temos  que nos previnir em qualquer âmbito. As mulheres já trabalham com essa conduta, o que é muito mais benéfico”, destacou. O médico ainda falou sobre um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que aponta que os homens são os que mais morrem se infectados pelo novo Coronavírus, sendo 55% do sexo masculino, enquanto 45% são mulheres.

A coordenadora Lourdes Maria deu continuidade ao evento, distribuindo kits com informativos e preservativos masculinos aos presentes; e orientou a todos os colaboradores sobre uma gincana que premiou os homens que trabalham no HEMNSL, caso respondessem as perguntas corretamente no chamado “Big Fone”. Em horários variados, o Serviço Social ligou nos setores e questionou os atendentes sobre a saúde do homem. 

Maternidade de Referência José Maria de Magalhães Netto inaugura Banco de Leite Humano

Ampliar a prática da amamentação, reduzir os riscos da saúde dos recém-nascidos e incentivar a doação do leite humano. Esses são alguns benefícios do novo Banco de Leite Humano, inaugurado na tarde desta terça-feira (17) na Maternidade de Referência José Maria de Magalhães Netto, em Salvador.

A solenidade contou com a presença do secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, a sub-secretária, Tereza Paim, além do diretor assistencial Coorporativo do IGH – Instituto de Gestão e Humanização, Gustavo Guimaraes, e a diretora médica da maternidade, Daniela Lessa.

“A implantação do Banco de Leite vai assegurar um incremento assistencial nessa que é uma maternidade de referência e de alta complexidade. O leite materno é uma urgência nutricional e interfere substancialmente evitando infecções e outros tipos de agravos que podem gerar riscos à saúde do bebê, sobretudo, dos prematuros”, explicou Tereza Paim.

O Banco de Leite terá capacidade de realizar a ordenha de até 65 mães por dia, tanto de pacientes internadas na unidade quanto de mulheres interessadas em fazer a doação.

“Os materiais coletados vão ser destinados para os recém-nascidos e demais bebês internados na maternidade, bem como, por demanda aberta para atender outras crianças que necessitem da alimentação”, afirmou Daniela Lessa.

Após a inauguração do Banco de Leite, uma mesa redonda sobre prematuridade aconteceu no auditório da maternidade.

O Hospital Municipal de Contagem (HMC) é um dos cinco hospitais escolhidos entre 6,5 mil hospitais do Brasil para fazer parte do Projeto Reab pós Covid do Ministério da Saúde. Além de ser o único hospital da Região Sudeste a participar do projeto. A iniciativa realizada em parceria com o Hospital Sírio Libanês, Ministério da Saúde, por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS)busca promover a reabilitação de pacientes após a alta hospitalar por Covid-19.

O Diretor Técnico do HMC, Mário Corteletti, esteve recentemente em São Paulo para assinatura do termo de compromisso e adesão ao projeto, e ressaltou a expectativa. “Com o Reab, esperamos reduzir o tempo de permanência de pacientes crônicos, integrar todas as estratégias e metodologias que envolvem os pacientes agudos e crônicos, possuir excelência em reabilitação hospitalar e rotatividade de leitos, auxiliando na liberação para outros pacientes”. 

O Reab funcionará nesta primeira fase do projeto com uma equipe de profissionais renomados do Hospital Sírio Libanês que realizará visitas semanais, dando total suporte aos profissionais da Saúde do HMC. Além disso, o Reab também ofertará equipamentos específicos para a unidade hospitalar, que irá auxiliar na realização de atendimentos dos pacientes com possíveis sequelas da Covid-19.

Sobre o HMC

No dia 30 de agosto, o Hospital Municipal de Contagem José Lucas Filho (HMC) completou 17 anos de fundação. Neste ano, além de dar continuidade para assistência à saúde da população contagense, outro desafio fez parte da rotina da unidade nos últimos cinco meses – o enfrentamento a pandemia do novo coronavírus.

Desde março, início das diretrizes sanitárias para prevenir a Covid-19 no município, o HMC teve seus espaços e serviços readequados, para que o cuidado de pacientes acometidos por esta doença respiratória pudesse ser realizado e vidas fossem recuperadas.

Para o Diretor Geral do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), Flávio Albuquerque, todo o serviço foi gerido por meio de protocolos e fluxo assistenciais, específicos para o trato em meio a pandemia. A equipe foi capacitada e atualizada, a todo o momento, conforme as diretrizes dos órgãos de saúde, assim como a transformação de áreas físicas e a ampliação de unidades de tratamento intensivo (UTIs). “Agora com o REAB, daremos continuidade ao excelente trabalho das nossas equipes de profissionais da saúde, e, ainda, poderemos contar com o Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) de Contagem, que, com toda certeza, será um grande parceiro deste projeto”, destacou, Albuquerque.

Participantes

O Hospital Municipal de Contagem (MG) será a referência do projeto na região sudeste e participa em conjunto com o Hospital de Palmas (TO); Hospital de Base de Brasília (DF), Hospital Geral de Fortaleza (CE) e Hospital Geral do Trabalhador (PR). 

O IGH está contratando profissionais PcD para diversas funções.

Interessados devem enviar o currículo e laudo médico para: curriculo.pcd@igh.org.br

O título do e-mail será a vaga pretendida.

Vagas para BA e MG

Com o tema central “Os desafios e a curva de aprendizado na gestão em saúde das secretarias e OSS em tempos de pandemia” o FIGS Digital reuniu seis importantes personalidades da gestão pública em saúde e OSS para discutir os impactos da pandemia no setor. 

Apresentadores

Carlos Eduardo Amaral
Secretário de Saúde do Estado de Minas Gerais

Paulo Bittencourt
Superintendente do IGH

Gustavo Guimarães
Diretor Assistencial Corporativo do IGH

Fábio Vilas-Boas
Secretário de Saúde do Estado da Bahia

Ismael Alexandrino
Secretário de Saúde do Estado de Goiás

Tereza Paim
Subsecretária da Saúde do Estado da Bahia

Uma mulher de 18 anos, residente em Salvador, deu a luz a gêmeas siamesas na quinta-feira (29/10), na Maternidade de Referência José Maria de Magalhães Netto, unidade da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia, que acompanhou todo o pré-natal da paciente.

De acordo com a subsecretária da Saúde do Estado, Tereza Paim, “a mãe e os bebês estão clinicamente bem, respirando sem a necessidade de aparelhos. Na avaliação preliminar, as gêmeas siamesas estão interligadas apenas pelo fígado, mas exames complementares serão realizados e a cirurgia de separação deve ocorrer dentro de um mês, assim que ganharem um pouco mais de peso, evoluírem na maturidade pulmonar e os exames forem concluídos”, avalia a subsecretária, que também é neonatologista.

O procedimento cirúrgico será realizado na própria maternidade por um especialista de Goiás que é referência em casos de separação de gêmeos siameses. Este tipo de nascimento é considerado raro. Estatísticas apontam que a cada 100 mil nascimentos, um é de gêmeos siameses.

Também conhecido como neoplasia, o câncer de mama é caracterizado pelo crescimento de células cancerígenas na mama. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), é o segundo tumor mais comum entre as mulheres, atrás apenas para o câncer de pele, e o primeiro em letalidade.

Apesar dos dados alarmantes, sua ocorrência é relativamente rara antes dos 35 anos e nem todo tumor é maligno – a maioria dos nódulos detectados na mama é benigna. Além disso, quando diagnosticado e tratado na fase inicial da doença, as chances de cura do câncer de mama chegam a até 95%.

No entanto, na fase inicial da doença o tumor pode ser muito pequeno, podendo ter menos de um centímetro de tamanho, nesse caso, a doença só será detectada por um exame de imagem, como a mamografia. Por isso, é importante que a mulher vá ao ginecologista ao menos uma vez por ano e faça seus exames de rotina periodicamente

A conscientização do câncer de mama e o investimento em novas pesquisas sobre o tema ajudaram a criar diversos avanços no diagnóstico e tratamento da doença. Hoje, o câncer de mama não é mais uma sentença – a taxa de cura é cada vez mais alta e a paciente pode levar sua rotina com qualidade de vida e bem-estar.

Os Tipos Mais Comuns

  1. Carcinoma ductal: é o tipo mais comum de câncer de mama, esse tumor se forma no revestimento de um dos ductos mamários, que carregam o leite materno dos lóbulos até o mamilo. Há dois tipos de carcinoma ductal: o carcinoma in situ, que permanece dentro dos ductos como um tumor não invasivo, e o carcinoma ductal invasivo, que pode espalhar-se para outras partes. Ambos os tipos têm a capacidade de desenvolver metástase, se não forem tratados corretamente;
  2. Carcinoma lobular: é o segundo tipo mais comum de câncer de mama. Também apresenta dois tipos de tumores: o carcinoma lobular invasivo, desenvolvido nos lóbulos mamários, e o carcinoma lobular in situ, tradicionalmente é considerado um marcador de risco para desenvolvimento do câncer de mama, podendo ser um precursor não obrigatório do carcinoma invasivo.
  3. Tecidos conjuntivos: apesar de raro, em alguns casos o câncer de mama pode começar no tecido conjuntivo, que é composto de músculos, gordura e vasos sanguíneos. Esse tipo pode também ser conhecido como sarcoma, tumor ou angiossarcoma.

Mulher Conscientes

A ciência vem comprovando que a terapia com cães podem proporcionar redução na frequência cardíaca, relaxamento corporal e equilíbrio respiratório. Ciente dessa contribuição, o Hospital Estadual Materno-Infantil Jurandir Nascimento (HMI) encerrou a programação da Semana da Criança, com a visita da Layka – uma cadela terapeuta -, aos pequenos pacientes.

A chegada da Layka provocou uma explosão de alegria e ânimo nas crianças, acompanhantes e colaboradores. Ela fez o maior sucesso nos corredores do Pronto Socorro Pediátrico, e no espaço reservado para o encontro com as crianças. Os pacientes Davi Stumano, de 11 anos e Ian Oliveira, de 7 anos, eram só sorrisos. Tiraram fotos e abraçaram a nova amiga. Flávia Lacerda, mãe de Vitor Gabriel, de 8 anos, disse que a visitante funcionou como um antídoto em seu filho, que está há bastante tempo internado. “Ele estava no colo, com dor, meio pra baixo. Quando viu a cadela, tocou nela e ficou mais animado. Mexeu com o emocional de todos. O hospital nos proporcionou uma semana maravilhosa!”, afirmou a mãe do paciente.

 A tutora de Layka, Cleres Bisol, realiza trabalho voluntário com sua pet há sete anos. “Só gratidão! Tenho experimentado muitas alegrias com o que faço. É uma sensação de dever cumprido”, disse Cleres.

 Os colaboradores da unidade também fizeram a festa com a cadela terapeuta. “Fiquei encantada com o carinho e doçura dela com as crianças”, pontuou a colaboradora Luciana Louzada. “Achei essa iniciativa muito boa. Muito importante para deixar as crianças tranquilas e ajudar no tratamento”, concluiu o estudante de medicina, Marcelo Ribeiro, que faz internato no HMI. “O cão terapeuta ajuda  a promover o bem-estar físico e emocional dos pacientes. Auxilia na terapia e reabilitação. Os benefícios são atestados pelas  equipes de saúde e as organizações que promovem a Terapia Assistida por Animais (TAA). Tudo dentro dos cuidados sanitários para que a segurança dos pacientes seja garantida.”, destacou a coordenadora da Psicologia, Flávia Zenha.

Cães terapeutas

São animais treinados e integrados a uma equipe multidisciplinar formada por profissionais de saúde e educação, que ajudam na recuperação do paciente, principalmente, em quatro aspectos específicos: física, cognitiva, emocional e nas relações interpessoais e como um todo.

 A visita da cadela terapeuta ao HMI foi previamente agendada, com apresentação do cartão de vacina em dia, laudo do veterinário responsável e o certificado de cão terapeuta do projeto Terapia Assistida por Animais (TAA), da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Goiás (UFG).

 Antes de ir ao hospital, a Layka passou por uma higienização apropriada, calçou as botinhas e só pisou no chão ao entrar na unidade, onde permaneceu o tempo todo com sua dona e guia. 

O Hospital Regional Deputado Luis Eduardo Magalhães, administrado pelo Instituto de Gestão e Humanização (IGH), empenhado em melhorar o atendimento a pacientes que precisam de cuidados especiais, criou a Comissão de Cuidados Paliativos da Unidade, um marco importante, com o suporte da SESAB, para construir e redimensionar conhecimentos, sentimentos, valores e cuidados para o paciente.

No sábado (10/10), data em que se celebra o Dia Mundial de Cuidados Paliativos, a comissão reuniu profissionais e diretoria e soltou balões com palavras de cuidados e sentimentos que esses pacientes precisam, a fim de representar a importância de atendimento humanizado e dos cuidados paliativos.

Segundo a OMS, a estimativa é que 40 milhões de pessoas em todo o mundo precisam ter acesso ao cuidado paliativo para ter mais qualidade de vida, mas apenas um terço dessa população tem acesso ao serviço, por isso esse tipo de ação unificada como ocorreu no HRDLEM é tão importante para apoiar a causa.

A Presidente da Comissão, a psicóloga Syla Resende destacou a relevância dessa iniciativa que surgiu em meio a Pandemia do Coronavírus, mas que será levada adiante no Hospital, que é referência para toda região. “Queremos que os pacientes de cuidados paliativos, apesar de não terem expectativa de melhora clínica ou cura, tenham o direito a uma assistência multiprofissional para alívio da dor fisica, emocional, social e espiritual e, que pacientes e familiares tenham acompanhamento e apoio durante o processo da morte.”

Com uma decoração especial, painel de balões e tambores, o casal de palhaços Pipoca da Ilumini Personagens Vivos, abriu as comemorações da Semana das Crianças no Hospital Estadual Materno-Infantil Jurandir Nascimento (HMI), nesta terça-feira, 13 de outubro.

As crianças internadas e as que recebiam atendimento no Pronto Socorro Pediátrico da unidade foram surpreendidas com uma festa para comemorar o Dia das Crianças, celebrado no dia 12 de outubro. A decoração feita pela equipe da decoradora Lorena Peres levou cores ao espaço do hospital.

E o casal Pipoca, personagens divertidos e animados entregaram brinquedos para os pequenos pacientes, desde a recepção da unidade, no espaço da festa, até nos leitos da pediatria, levando alegria e descontração para a criançada e acompanhantes.

“Colaborar com uma ação como esta, é uma forma de agradecer a Deus por tudo em nossa existência e principalmente a vida”, disse a personagem Pipoca, Brenda Mendes. “Somos só gratidão! Isso aqui é um aprendizado. Estamos muito felizes por essa oportunidade”, complementou o outro personagem Pipoca, Layon Berigo.

A equipe de nutrição preparou um delicioso lanche, com suco de frutas, cupcakes, pipoca, bolo e geladinho. E as copeiras também entraram no clima da festa, vestidas com avental de bolinhas e diademas da Minie.

“Eu estou muito feliz em poder participar de uma festa tão bonita e ganhar presente”, disse Ana Flávia, de 8 anos. “Isso é muito bom, porque ajuda a suportar a questão de não estar em casa, longe da família”, explicou a avó, Marilena Silva. “Até a gente fica feliz com uma festa tão linda dessa!”, salientou Talia Sousa, mãe de Bernardo, de um mês.

Tudo isso foi possível pelas parcerias e doações de voluntários. Os brinquedos foram doados pelo voluntário Vanderlei Souza, a empresária Ludymila vasconcelos, da loja infantil Amoreco e o ortopedista Leonardo Guimarães que fez internato no hospital quando era estudante de medicina. A empresa Lalá e Leleo doou máscaras infantis para as crianças.

Organizada pelos setores de Psicologia, Serviço Social e Nutrição, até sexta-feira (16), a programação contempla várias atrações que vão tornar a semana mais  animada. Tudo dentro dos cuidados sanitários. “Todas essas atividades, com a participação da equipe multidisciplinar do hospital, amenizam os impactos da hospitalização tanto para as crianças quanto para seus familiares”, pontuou a coordenadora da Psicologia, Flávia Zenha.

“A Semana da Criança faz parte das ações de acolhimento e humanização da unidade, proporcionando uma assistência de qualidade aos nossos pequenos pacientes”, afirmou a diretora técnica do HMI, Sara Barbosa.