No dia 30 de agosto, o Hospital Municipal de Contagem José Lucas Filho (HMC) completou 17 anos de fundação. Neste ano, além de dar continuidade para assistência à saúde da população contagense, outro desafio fez parte da rotina da unidade nos últimos cinco meses – o enfrentamento a pandemia do novo coronavírus.Desde março, início das diretrizes sanitárias para prevenir a Covid-19 no município, o HMC teve seus espaços e serviços readequados, para que o cuidado de pacientes acometidos por esta doença respiratória pudesse ser realizado e vidas fossem recuperadas.
Para o enfermeiro do CTI 1 Covid-19, Alexandre Reis Costa, nos últimos meses houve muitos esforços para que a equipe realizasse o cuidado com excelência, o que só fez fortalecer o conhecimento diante da situação presenciada. “Apesar das perdas para a Covid-19, nós tivemos muitas pessoas recuperadas, vencendo a doença. Momentos como esses, dá uma experiência valiosa para todos nós profissionais da saúde,” disse o enfermeiro. 
Com 50 leitos exclusivos para o atendimento de casos suspeitos e confirmados de infecção respiratória do novo coronavírus, o Hospital acolheu e cuidou de muitas pessoas até o momento. Entre elas, o senhor Geraldo Batista de Lana, 84 anos, que após 21 dias internados, venceu a Covid-19 e deixou a unidade ao lado das filhas retornando para casa.
Com três anos de trabalho no HMC, a técnica de enfermagem da ala Covid-19, Jéssica Xavier de Oliveira, acredita que o aprendizado é algo marcante na trajetória do Hospital: “a situação de pandemia agregou muito valor ao nosso dia a dia. A equipe se uniu para vencer e ajudar os pacientes a superarem a Covid-19 que foi uma ocasião inédita vivida por toda a sociedade e, principalmente, por nós profissionais da saúde”.
A recepcionista do Pronto Socorro do HMC, Rosa Maria Coelho Teodoro, conta que com a pandemia passou a observar mais o ser humano. E, com isso, viu que o Hospital estabeleceu uma nova forma de trabalho, além de recomeçar processos e se reinventar para humanizar o cuidado. “A unidade tem sido muito proativa com os trabalhadores e pacientes. É possível ver muitas pessoas recebendo alta e curadas, além de famílias satisfeitas com o cuidado, o que nos dá esperança na área da saúde” comentou Rosa.
Todo o serviço foi gerido por meio de protocolos e fluxo assistenciais, específicos para o trato em meio a pandemia. A equipe teve que ser capacitada e atualizada a todo o momento conforme as diretrizes dos órgãos de saúde, assim como a transformação de áreas físicas e a ampliação de unidades de tratamento intensivo (UTIs).Para a médica da ala Covid-19 do Hospital Municipal, Beatriz Costa Matos, a capacidade de se adequar as necessidades sem perder o profissionalismo, é o grande destaque do HMC para neste ano. 
Ela complementa ainda que toda a reformulação e transformação realizada fez com que os laços profissionais ficassem ainda mais fortes, assim como os processos de trabalho da instituição que os realizou com maestria e zelo: “nestes 17 anos, o HMC vem sendo casa de muitos profissionais que se dedicam ao cuidado. Hoje somo mais que uma equipe, nós somos uma família dedicada e comprometida que entrega um trabalho com muito amor e gratidão”
“Parabéns para o Hospital, aos profissionais da saúde e aos colaboradores desta família HMC. Que possamos enfrentar não apenas a Covid-19, mas todas as doenças que a população venha precisar de cuidado,” parabenizou Dra. Beatriz Costa. 

O Dia Nacional de Saúde. Pauta intensamente presente nos jornais e no cotidiano do país este ano, consequência da pandemia da Covid-19.O número crescente de infecções respiratórias ocasionada por esta família de vírus na população provocou implementação de medidas sanitárias urgentes, como o uso de máscara por toda população, visando à diminuição da propagação da doença e o trabalho árduo dos gestores e profissionais de saúde, nos últimos cinco meses.

A infecção por coronavírus provoca sintomas semelhantes a um resfriado, mas em algumas pessoas a doença pode evoluir para uma crise aguda respiratória necessitando o atendimento hospitalar.Em busca de uma assistência eficiente para a situação, a prefeitura de Contagem e o Instituto de Gestão e Humanização (IGH), que compartilham a administração da rede de urgência e emergência no município, ampliaram leitos de enfermarias e UTI (unidades de terapia intensiva) e instituíram diretrizes de segurança à saúde de pacientes e colaboradores.“Diante do cenário que a doença no mundo e no Brasil foi se mostrando foi preciso colocar em prática, ações ágeis e eficientes para garantir assistência a saúde”, anunciou a diretora regional MG, Ana Kécia Xavier. “O Dia Nacional da Saúde nos mostra como este bem é valioso e devemos ter todo o zelo por ele, pois, cada vida perdida foi e será uma dor incalculável para família,” completou a diretora.

Em Contagem, as medidas preventivas e assistenciais iniciaram no dia 13 de março pela gestão municipal. Mesmo sem notificação de casos até a data, na semana seguinte, 14 leitos exclusivos para pacientes suspeitos de Covid-19 foram abertos no Hospital Municipal de Contagem (HMC) José Lucas Filho, na ala Clínica Médica que estava em reforma. Atualmente, o HMC conta com 30 leitos de enfermaria, 20 de UTI e, recentemente, no final de julho, o Pronto Socorro da unidade passou a contar com uma portaria exclusiva para atendimento de casos respiratórios, três leitos de UTI e seis de semi-intensivos para avaliação de pacientes encaminhados pelo SAMU.

Enquanto, o Hospital Municipal foi destinado para o atendimento de casos graves, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Sede dedicou-se a internação de pacientes suspeitos e confirmados da doença, encaminhados pelas demais UPAs, somando 20 leitos de enfermaria.

A assistência exclusiva de pacientes isolados teve início em 24 de março.Como reforço de toda a rede de urgência e emergência municipal, o Hospital de Campanha de Contagem (HCC), que funciona na estrutura do Hospital Santa Helena, foi instituído em abril e recebeu o primeiro paciente em junho. O local, com capacidade para 107 leitos de enfermaria e UTI, possui atualmente 47 pacientes internados. “Todo o trabalho no Complexo Hospitalar de Contagem, no HCC e nas UPAs foi possível por meio de uma gestão conjunta e participativa permitida por meio da implementação do Comitê de Contingência que é composto pelos coordenadores das áreas macros das unidades”, esclareceu o diretor geral do CHC, Flávio Santos. “A dedicação de cada profissional também foi imprescindível para que a população não ficasse desamparada” destacou o diretor.O Comitê, ainda vigente, acompanha diariamente o andamento da assistência à saúde visando identificar possíveis impactos e, também, planejar estratégias para continuidade do atendimento à população diante de qualquer adversidade.Acompanhando tais mudanças estruturais, toda a rede de saúde tiveram readequações quanto à assistência dos pacientes, acompanhantes e visitantes.

As UPA JK e Ressaca instalaram tendas externas nas unidades e equipadas com consultórios de triagem e médicos exclusivos para atendimento de pacientes suspeitos de coronavírus ou com sintomas gripais. Nas UPAs Petrolândia e Vargem das Flores e nos Prontos Atendimentos Infantil e Obstétrico do Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, espaços foram separados para a triagem de pacientes com sintomas gripais e nos casos em que o isolamento temporário fosse necessário.Toda a rede de urgência e emergência de Contagem esta abastecida dos suprimentos importantes na prevenção do coronavírus, como itens de higienização, álcool e equipamentos de proteção individual, assim como também contam com uma ambulância exclusiva para o transporte de pacientes que enquadrem nestes casos.É importante destacar que todas as equipes do CHC e UPA’s foram capacitadas e fazem o uso dos equipamento de proteção individual (EPI’s) obrigatórios conforme os fluxos designados do setor. Regularmente, protocolos e fluxos são atualizados seguindo as normas dos órgãos de saúde.

As orientações estão disponíveis no ambiente on-line, com cursos em EAD e também nos setores. Visita Virtual e Boletim MédicoBuscando reduzir a circulação de pessoas no estabelecimento, uma questão fortemente preconizada pela OMS, os horários e critérios para visitantes e acompanhantes nos estabelecimentos foram adaptados, conforme decretos municipais. Na rotina atual, o Boletim Médico do Hospital Municipal é dado aos familiares na recepção principal, com horários específicos, de acordo com a ala de internação do paciente.

Para os pacientes nas Alas isoladas da Covid-19, as informações são dadas por telefone ou e-mail.Nas alas isoladas de Covid-19 os pacientes internados só têm contato com os profissionais de saúde, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde. Para amenizar a distância dos familiares, chamadas de vídeo são proporcionadas pela equipe assistencial. A Visita Virtual tem como objetivo humanizar a estadia e manter a interação afetiva entre pacientes e seus familiares. 

O Setembro Amarelo é uma campanha criada com o intuito de informar as pessoas sobre o suicídio, uma prática normalmente motivada pela depressão. Mesmo com tantos casos notórios, crescentes a cada ano, ainda existe uma expressiva barreira para falar sobre o problema.

A partir de primeiro de setembro (1°/09), a população de Contagem poderá solicitar a cópia do Prontuário Médico e/ou Boletim de Entrada do atendimento no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) por meio de requerimento on-line.A medida tem como objetivo diminuir a ida do cidadão às unidades de saúde – Hospital Municipal de Contagem José Lucas Filho (HMC) e Centro Materno Infantil Juventina Paula de Jesus (CMI), para solicitar o documento neste momento de pandemia.

Além disso, orienta antecipadamente o solicitante a respeito dos critérios para fazer o pedido.A solicitação destes documentos em muitos casos é necessário para abrir requerimentos de seguros, como DPVAT (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre) e transferências para a rede particular de saúde, entre outras ocasiões.Em um segundo momento, o serviço será estendido para as Unidades de Pronto Atendimento (UPA’s) JK, Petrolândia, Ressaca, Sede e Vargem das Flores.


Requisição on-line:Por meio do link da internet, a pessoa que passou pela assistência à saúde HMC ou CMI, conjugue ou companheiro e/ou familiar do paciente, legalmente reconhecido, poderá fazer o pedido. No formulário há orientações a respeito de quem pode fazer a solicitação e a relação de documentos necessários para a retirada da documentação pelo próprio requerente do Prontuário Médico e/ou Boletim de Entrada que será entregue no formato impresso ou em arquivo digital (DVD) no dia programado.Será preciso anexar cópia da identidade ou documento de identificação do solicitante no momento da requisição on-line e assinalar termo de Termo de Responsabilidade e Sigilo das Informações.O prazo de entrega da documentação é até de 30 dias.Este serviço é realizado, atualmente presencialmente, pelo Serviço de Arquivo Médico e Estatísticas (SAME) do CHC. Para a modalidade on-line a equipe foi capacitada para o desenvolvimento da atividade.

Esse mês, o Hospital Regional Deputado Luis Eduardo Magalhães foi contemplado com a chegada do videolaparoscópio, importante equipamento que vai permitir a realização de cirurgias não abertas, com uma técnica considerada minimamente invasiva.Na videolaparoscopia os cortes são substituídos por pequenos furos, quase imperceptíveis, feitos com a ajuda de pequenas pinças com câmeras nas pontas, que permitem a visualização em duas dimensões do local da cirurgia e facilitam o procedimento. Entre os principais benefícios está o tempo de recuperação do paciente, que é menor.São diversos os problemas que podem ser resolvidos com videolaparoscopia e os mais procurados são retirada de vesícula biliar, reparo das hérnias, retirada de baço, útero, ovários e tumores.A unidade comemora essa aquisição, que começará a ser usada em breve e vai permitir um menor risco de infecção e menor permanência do paciente no hospital. “A grande vantagem é a redução do tempo de internação, pois o pós-operatório é muito mais rápido o que aumenta a nossa rotatividade de leitos, ampliando a ofertas de leitos cirúrgicos para mais pacientes. Sem dúvida é um equipamento fundamental,” pontuou Rodrigo Carvalho, diretor técnico do HRDLEM.

O Hospital Estadual de Urgências de Aparecida de Goiânia Cairo Louzada (Huapa) realizou na quarta-feira, 12 de agosto, sua primeira grande captação múltipla de rins, fígado e córneas, numa ação que envolveu a Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (Cihdott) da unidade do Governo de Goiás e a Gerência de Transplantes, da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO). O Huapa já é pioneiro na captação de órgãos e tecidos em Goiás.  

A primeira captação, de rins, foi realizada no ano de 2011. De lá pra cá, já foram realizadas três captações de órgãos e três de tecidos.A cirurgia durou cerca de 4 horas e envolveu equipe composta por profissionais do Estado de Goiás. O fígado foi o primeiro órgão a ser retirado. Em seguida, os rins foram captados e, por último, as córneas. Cada órgão e tecido captados já estavam destinados aos seus receptores, que também são de Goiás.

O doador, de 38 anos, estava internado num leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde o dia 6 de agosto, após dar entrada no Huapa, com traumatismo cranioencefálico. A família do paciente decidiu pela doação de todos os órgãos. Ao todo, foram beneficiados cinco pacientes, identificados de acordo com o Cadastro Nacional de Transplantes. Todo o transporte foi feito em veículos da própria equipe, com o intuito de garantir o sucesso e a agilidade de todo o processo de doação. 

Desde o dia 15 de maio, está disponível na intranet uma autovaliação diária para a rede de urgência e emergência de Contagem com objetivo de saber a respeito da saúde física e emocional dos colaboradores. Até o dia 06 de agosto, 949 trabalhadores participaram do monitoramento do seu estado de saúde. Desse total, 56,16% foram profissionais da UPA Sede, 12,54% do CMI e as demais unidades tiveram adesão de menos de 10%.

A autoavaliação visa o cuidado com os profissionais da linha de frente das unidades de saúde.Durante o período da pesquisa, as informações coletadas demonstraram que 56,34% (533) dos colaboradores estavam se sentindo bem quanto o seu estado de saúde, para início da jornada de trabalho. Entre os resultados coletados 39,01% (369) disseram não apresentar nenhum sintoma gripal, enquanto, 4,44% (42) afirmaram apresentar sintomas gripais. Apenas 0,11% uma pessoa marcou as opções que sentia dificuldade em respirar e tinha febre.A pesquisa apontou que 39,85% (377) dos colaboradores se sentem confiantes ao iniciar o dia de trabalho e 32,14% (304) extremamente confiantes. Nesta mesma pergunta, 21,14% (200) disseram que estão muito confiante, 5,18% (49) pouco confiante e 1,69% (16) nada confiante.

Depois de 12 dias internada e sem contato com a família, dona Agripina Aparecida da Cruz Leonel, de 60 anos, retornou para casa após se curar da Covid-19. Filhas e genro foram buscá-la no Hospital Municipal de Contagem (HMC) aliviados, na última sexta-feira (07/08).
“Minha mãe ficou muito abalada emocionalmente, tanto preocupada com sua saúde como com a saúde da família, que também teve os sintomas mais leves da doença,” contou a filha Josiane da Cruz Leonel Santos, 32 anos.

A moradora do novo Riacho disse que 12 familiares testaram positivo para a Covid-19, em período próximo da internação da mãe.Para dona Agripina, o isolamento e a distância da família foram bem ruins, entre tudo que passou e sentiu. A senhora foi internada no dia 27 de julho, na UPA Sede quando a saúde ficou bem debilitada pela infecção por coronavírus.

Ela foi do posto de saúde para unidade de enfermaria exclusiva para Covid-19. Com a possibilidade de ser intubada, pois o quadro de saúde era bem delicado, ela foi transferida para HMC no dia 1° de agosto.Com os cuidados médicos e multiprofissionais recebidos nas unidades de saúde, dona Agripina pôde retornar para casa. Ela segue se recuperando, mas agora junto da família que tanto sentiu falta.

No último sábado, 08 de agosto, o Brasil registrou mais de 100 mil vidas perdidas por coronavírus e Contagem, 200 óbitos. As infecções respiratórias ocasionada pela Covid-19 têm sintomas semelhantes a um resfriado, mas em algumas pessoas a doença pode evoluir para uma crise aguda respiratória necessitando atendimento hospitalar e, em situações mais críticas, a perda de familiares, amigos e pessoas próximas. 

Diante deste cenário, desde março, os profissionais de saúde tem se empenhado para cuidar dos pacientes tocados por esta doença. Em memória às vidas perdidas, os profissionais da saúde em Contagem realizaram no um minuto de silêncio, ao longo do plantão.“A cada irmão que foi antes da hora nossa saudade e homenagem” esta foi a mensagem do Instituto de Gestão e Humanização (IGH) e da Prefeitura de Contagem na data. Entre os homenageados, uma em especial, a técnica de enfermagem da UPA Ressaca, Maria Aparecida de Andrade, de 53 anos, que foi vítima da Covid-19 e faleceu no dia 20 de abril. Ela também era servidora da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), no Hospital Alberto Cavalcanti, em Belo Horizonte.Cuidando de vidasNos últimos cinco meses de pandemia, as unidades da rede de saúde e emergência de Contagem mantiveram a assistência à saúde 24h sem interrupções, ampliando leitos de UTI e enfermaria, fortalecendo medidas preventivas, contratando profissionais e realizando capacitações constantes, de acordo com as diretrizes dos órgãos de saúde, em busca de cuidar de todos que precisam e se mantendo com fé e esperança por dia melhores.