BLH do HMI mantém coleta domiciliar durante pandemiaao

Referência no estado, o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Estadual Materno-Infantil Dr. Jurandir do Nascimento (HMI), com atendimento presencial suspenso ao público externo, mantém a coleta domiciliar. No “Dia Mundial de Doação de Leite Humano”, o BLH do HMI, só tem motivos para comemorar. Enquanto muitas unidades do BLH no país enfrentam problemas de baixo estoque, pela falta de doação, no Banco de Leite do HMI a situação é inversa. Contando com a solidariedade das mães goianienses, a unidade vem recebendo várias doações, garantindo um ótimo estoque do produto, que dobrou de quantidade, alcançando 200 litros. E as doadoras nem precisam sair de casa. Com a parceria com o Corpo de Bombeiros Militar de Goiás, que disponibiliza veículo e profissionais de apoio, as voluntárias vão até as residências das doadoras e, além de coletar o leite, fazem um trabalho de orientação às mães. De acordo com a coordenadora do BLH da unidade, Renata Leles, considerando os benefícios do aleitamento materno para o recém-nascido, mesmo no cenário da pandemia de Covid-19, o BLH segue as recomendações da Rede Brasileira de  Bancos de Leite Humano e da Organização Mundial de Saúde (OMS). “As doações são essenciais para a nutrição e melhoria da saúde dos bebês prematuros e de baixo peso que nascem no HMI. O leite materno é o alimento mais completo para o bebê. Rico em água, proteínas, lipídios, glicídios, vitaminas e minerais, é perfeito para o recém-nascido porque dispõe de todos os nutrientes necessários nos primeiros meses de vida do bebê para um desenvolvimento saudável”, ressaltou. Após dar à luz a pequena Alice e precisar do leite de outra mãe para aumentar a glicemia de sua bebê, a estudante Andressa Borges da Silva, sensibilizada com a situação, virou doadora do BLH do HMI, durante a pandemia. “Percebi o quanto nosso leite é rico em nutrientes e pode salvar vidas. Quando a minha filha nasceu, ela precisou de 30 ml de leite de outra pessoa, e isso reforçou a importância de ajudar o próximo. É sempre bom fazer o bem, e poder ajudar outros bebezinhos”. Depois de ligar para a unidade, fazer o cadastro e realizar a primeira doação, a estudante já doou dois litros de leite. Para a doação são adotados critérios que consideram o bom estado de saúde da doadora, além de medidas de higiene durante a coleta, reforçadas pelas bombeiras. Além disso, Renata explicou que o BLH segue rigorosos métodos de controle de qualidade. “Após ser coletado, o leite é analisado e pasteurizado para que fique em condições sanitárias para o consumo. O leite é então congelado, podendo ficar armazenado por seis meses”, afirmou. Mães que quiserem doar o leite excedente podem ligar para (62) 3956.2921.