MJMMN implanta protocolo pioneiro de assistência de enfermagem na Bahia

A Maternidade José Maria de Magalhães Neto implantou de forma pioneira na Bahia um novo protocolo que possibilita a assistência integral da equipe de enfermagem – desde o acolhimento até o parto – às gestantes classificadas como risco habitual (baixo risco para acometimento de intercorrências durante o trabalho de parto). A medida regulamentada pela legislação federal desde 1986, garante um parto humanizado, priorizando o protagonismo da mulher e suas escolhas, considerando o momento não como um evento médico, mas social, emocional e familiar.

O processo de implantação do método iniciou em outubro passado, após o Instituto de Gestão e Humanização (IGH) assumir a administração da maternidade de referência para casos de alta complexidade na Bahia.

“A implantação do protocolo de enfermagem está em fase inicial e, até o momento, realizamos três partos nesse novo modelo. De forma geral, esse método considera o protagonismo da mãe, o que é, por si só, um benefício. Além disso, estimulamos a amamentação, a participação do acompanhante, proporcionamos o contato pele a pele com o bebê, benefícios emocionais imensuráveis, pois a mulher é acolhida e amparada em um momento que, apesar de ser muito especial, é de fragilidade”, destacou a coordenadora de enfermagem do Pronto Atendimento da maternidade, Larissa Paiva. 

Por priorizar o acontecimento natural do parto, sem a necessidade injustificada de interferências ou procedimentos e promover a desmedicação do processo, a prática obstétrica de cuidado de enfermagem também reduz os custos aplicados para esse tipo de assistência, bem como, garante um menor tempo de recuperação da gestante pós-parto. 

“Outro ponto importante a destacar é que esse modelo contribui significantemente com os custos aplicados num parto em relação a um procedimento cirúrgico, por exemplo. Sob essa ótica, conseguimos aplicar de maneira mais eficaz os recursos públicos, além de beneficiar a paciente que terá um período muito mais curto de recuperação”, explicou Ana Angélica, coordenadora de enfermagem da maternidade.

Atualmente, cerca de 40 profissionais estão envolvidos nessa nova metodologia na Maternidade José Maria de Magalhães Neto.